Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O tempo do fantasma em Meu malvado favorito 3

Quem me conhece sabe que eu adoro animações. Quem gosta de animações sabe que muitas delas não são feitas para crianças, mas para os pais, que têm nos filhos uma boa desculpa para ir ao cinema ver desenho. Pois bem, por que estou falando essa baboseira toda? Porque dias atrás, depois de uma abstinência de quatro meses, fomos ao cinema levar nosso sobrinho para assistir Meu malvado favorito 3. Se você não conhece, vou resumir o enredo da trilogia em algumas palavras.
            No primeiro filme, Gru é um vilão megalomaníaco que tem planos de roubar grandes monumentos: começa a história roubando uma pirâmide do Egito com uma arma disparadora de um raio encolhedor. Mas ele tem um concorrente muito forte, que lhe rouba a arma porque tem pretensões de roubar a Lua. Seria o maior roubo da história. Gru precisa reaver sua arma e está planejando como fazê-lo quando conhece três meninas órfãs moradoras de um abrigo. Elas estão vendendo biscoitos para ajudarem no custeio de suas despesas.
Gru, um sujeito que odeia crianças, tem a brilhante ideia de adotá-las para ter auxílio em seus crimes. Apresenta-se como interessado na adoção, criando uma identidade de dentista e convence. Leva as meninas para casa, consegue reaver a arma, roubar a lua e tudo mais, mas quando se vê na iminência de perder as garotas, sofre e percebe que as ama. Uma luta para reavê-las e nasce, na minha opinião, um amor paterno avassalador. Gru se fantasia de bailarina ou de qualquer outra coisa para a felicidade das meninas, e agora já estamos no segundo filme. Conhece uma mulher e se casa com ela. Passa a trabalhar na liga anti-vilões. O louvável do nascimento do amor paterno é que Gru, além de não conhecer seu pai, ainda tem uma relação péssima com sua mãe. Uma mulher que sempre tratou com pouco entusiasmo ou até mesmo desprezo tudo o que ele fazia ou desejava desde a infância. Mas como “amar é dar o que não se tem”, como dizia Lacan, Gru pode dar a estas meninas um amor antes inédito.
Eis que estamos no cinema para assistir ao terceiro da saga. Gru já não é mais um vilão. Tem um emprego e uma família. Isso tudo poderia parecer pouco emocionante, um modelo de família burguesa, chata e medíocre demais se comparado à vida de aventuras anterior do ex-vilão. Mas ele perde o emprego, bem como a esposa, porque há uma mudança de chefia na liga anti-vilões logo após eles não terem conseguido solucionar uma missão. Pausa para o vilão da vez.
            O nome dele é Balthazar Bratt, um homem de uns 35 anos que foi, na década de 1980, uma criança prodígio que teve seus dias de glória e fama quando atuava em um seriado na tevê, no qual ele protagonizava “um menino mau demais”. Quando a adolescência chegou e, junto com ela os hormônios, ele cresceu e vieram as espinhas e barba. Por não ser mais um menino, ele deixou de fazer a série e também de ser amado pelo público. Qual é o grande lance? Bratt não se conforma com a perda a ponto de viver preso em seu passado dourado, de três décadas atrás. Ele usa ombreiras, bigode, tem um corte de cabelo característico e suas armas, bem como toda a trilha sonora que rodeia este personagem, está ambientada nos hits dos anos 1980.         Bratt rouba a cena. Eu amei este vilão, devo confessar.
            Passados alguns dias, estava eu sentada a estudar psicanálise para uma fala que iria fazer e, dentre os assuntos, a travessia do fantasma durante a análise era um deles. O fantasma, também chamado de fantasia fundamental, é um conceito muito importante na psicanálise. Em termos imagéticos, o fantasma poderia ser comparado a uma tela sobreposta à realidade. Em termos palavréticos, o fantasma seria a historieta que criamos sobre nós mesmos, sempre ficcional, a partir do que achamos que o Outro quer de nós. Assim, a partir dessa historieta, dizemos: eu sou isso ou aquilo e assim e assado. Mas o fantasma, assim como o sintoma, o recalque e todas as tentativas humanas de tamponamento do real, fracassam, se esgarçam em algum momento. É quando as pessoas chegam à análise, rotas, manquejantes.
            O fantasma é aquilo a que estamos presos e, para isso, não importa a passagem do tempo. Assim como Freud dizia de um dos princípios do inconsciente: a sua atemporalidade, também o fantasma não sofre desgastes temporais. O que isso quer dizer? Ora, que não há cura espontânea para a neurose. A famosa expressão “o tempo cura” cai por terra com a psicanálise. Na verdade, o tempo só faz piorar. Quem é chato só fica mais chato ainda. E por aí vai. Então, li num livro do Luiz Izcovich: “Contra o discurso corrente que diz ao sujeito ‘tens a idade de tuas artérias’, o sujeito permanece insensível, ele tem a idade do seu fantasma.” Aí eu só conseguia pensar em Bratt, aquele “menino mau demais” preso em seu fantasma a ponto de construir um mundo particular cuja passagem do tempo não conseguia penetrar.
            Em uma análise é preciso fazer a travessia do fantasma, deixar cair as identificações ao discurso do Outro, criar um estilo próprio a partir de um desejo inédito. Para fazer essa travessia, contra a atemporalidade, é preciso entrar na roda do tempo. A angústia, por ser um afeto que não engana, serve como bússola para o desejo, mas também é o que permite ao sujeito se dar conta passagem temporal, que não é de ordem cronológica, mas lógica. Trata-se do tempo lógico da neurose de cada um. Agora estou doida para estudar os tempos das neuroses. Ai que esse desejo não acaba nunca. Valei-me são longuinho!


Isloany Machado, 10/08/2017.


   

Nenhum comentário:

Postar um comentário