Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Manoel de Barros e a histerização do discurso



  Ler Manoel de Barros, dependendo da fase da vida em que se está, pode ser perturbador. Se for uma época da vida em que o sujeito estiver bem calcado em suas certezas, a leitura pode ser devastadora. Para muitos, é mais fácil pensar que a poesia do ínfimo não quer dizer nada, é uma besteirinha qualquer de criança, sem nenhum tipo de valor estético no sentido da masturbação das palavras. Sim, porque há poetas punheteiros de palavras. Com isso quero enfatizar que em Manoel de Barros o que encontramos é uma estética avessa ao lirismo das belas palavras, das rimas e das construções rococós. Estamos muito mais no campo da desconstrução.
Para que os escritos poéticos desse autor, nosso e do mundo, façam algum sentido é preciso estar aberto aos descortínios da linguagem. É preciso saber ouvir o que vai além das significâncias. Este processo é deveras claro em seu Livro sobre nada, em que ele diz, em seu “pretexto”:
O que eu gostaria de fazer é um livro sobre nada. Foi o que escreveu Flaubert a uma amiga sua em 1852. [...] Ali se vê que o nada de Flaubert não seria o nada existencial, o nada metafísico. Ele queria o livro que não tem quase tema e se sustente só pelo estilo. Mas o nada de meu livro é nada mesmo. É coisa nenhuma por escrito [...]. O que eu queria era fazer brinquedos com as palavras. Fazer coisas desúteis. O nada mesmo. (BARROS, 1996/2010, p. 327).
            O nada é, para ele, coisa nenhuma que tenha importância. As coisas nenhumas englobam tudo aquilo que está à margem, fora do circuito do que é considerado valioso para nossa sociedade capitalista. É, ainda, tudo aquilo que esta própria sociedade produz para que seja lixo. Manoel de Barros, com seu olhar de poeta do insignificante, oferece aos restos do nosso consumo desenfreado um status de matéria de poesia. Ele o faz não só com os objetos, mas principalmente com as palavras. Nesse universo poético, é possível inventar brinquedos com palavras, para isso, o truque é só virar bocó (BARROS, 1996/2010). As palavras aqui perdem seu status de nomeadoras, já que fica muito claro que o pano de fundo é a ideia de que a palavra mata a coisa: “À mesa o doutor perorou: Vocês é que são felizes/porque moram nesse Empíreo./Meu pai cuspiu o empíreo de lado. O doutor falava bobagens conspícuas./[...] A gente falava bobagens de à brinca, mas o doutor falava de à vera.” (BARROS, 1996/2010, p. 330-331).
            A estética da poesia “manoelina” é subversiva. Nem todos engolem. Acham ofensiva, desorganizada, feia. Mas é pra isso que serve o subversivo, para gerar um incômodo na própria linguagem que, se não cuidarmos, engessa os sujeitos. Tudo o que vai contra o status quo é considerado subversivo, porque nos move de nossas certezas. Quando Manoel de Barros atrapalha as significâncias com suas poesias avessas, causa um mal-estar que, como disse antes, pode ser devastador. Quando se espera algum enlevo em suas palavras, o que encontramos é o avesso disso: “Preciso atrapalhar as significâncias. O despropósito é mais saudável do que o solene. (Para limpar das palavras alguma solenidade – uso bosta) Sou muito higiênico.” (BARROS, 1996/2010, p. 338). O solene não diz nada sobre o sujeito, diz apenas do que é importante para a racionalidade.
A intenção poética de Manoel é invocar a subjetividade a partir de outra ordem. Nesse sentido se aproxima muito da psicanálise enquanto uma ciência (há controvérsias) que convoca o sujeito do inconsciente, avesso à racionalidade, que se coloca a dizer besteiras num processo analítico. Para Lacan (1972-73/1985), devemos engajar o sujeito a dizer besteiras, associar livremente, não a dizer tudo, porque não se pode dizer tudo. Dizer besteiras é tentar ficar longe das próprias censuras e julgamentos, é o que deve ocorrer, já que é quando os ditos não são racionais que podemos trabalhar em psicanálise, esta é a regra do jogo.
O posicionamento do poeta, para além da psicologia do autor, configura-se semelhante ao discurso da histérica, este que visa desarrumar o status quo, questionar a ciência, desbancar o saber do mestre. Há um compromisso do discurso da histérica com o início da psicanálise inclusive, pois se não fosse isso, Charcot e Freud não teriam se debruçado sobre aqueles emblemáticos casos de mulheres que desafiavam o saber científico da época. Tem sido assim até hoje, tanto que Lacan (1969-70/1992) o elevou a um dos quatro discursos. Tamanha é a importância desse discurso que é justamente o que move, por exemplo, um processo analítico, em que é preciso que a fala do paciente seja histerizada para que se caminhe para qualquer lugar:

Não estará aí, afinal, o próprio fundamento da experiência analítica? Pois digo que ela dá ao outro, como sujeito, o lugar dominante no discurso da histérica, histeriza seu discurso, faz dele urn sujeito a quem se solicita que abandone qualquer referência que não seja a das quatro paredes que o envolvem, e que produza significantes que constituam a associação livre soberana, em suma, do campo. (LACAN, 1969-70/1992, p. 35).
Manoel de Barros faz de sua poesia uma histerização daquilo que é considerado belo, sublime, importante. Desarruma a linguagem e subverte tudo o que em nós está bem assentado. Ao mesmo tempo em que pode ser devastador, pode também ser alivia-dor para quem se identifica com essa estética do avesso, da desimportância. Ele nos convoca a construir algo novo após essa nadificação do mundo. Se nada do que está posto é importante, o que faremos com os restos? O que de tortuosamente belo construiremos a partir das ruínas de um mundo onde só O nada faz sentido?        

BARROS, Manoel de. Livro sobre nada. In: Manoel de Barros – Poesia completa. São Paulo: Leya, 1996/2010.
LACAN, Jacques. O Seminário livro 17: O Avesso da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1969-70/1992.
______. O Seminário livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar, 1972-73/1985.






Isloany Machado, 26/01/2017 

Nenhum comentário:

Postar um comentário