Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

domingo, 17 de julho de 2016

Se eu não vejo não existe

Se eu não posso ver o inconsciente, se eu não posso localizá-lo, é porque ele não existe.
Se eu não vejo doentes mentais sendo tratados pior do que animais em verdadeiras prisões, é porque eles não existem. Ah, esses mesmos que não existem, então é sempre melhor tirá-los de nossas vistas.
Se eu não vir as favelas do Rio tampando-as com painéis artísticos, elas não existem.
Se eu não vejo mulheres sendo estupradas por 30 homens, ou mais, isso não existe, ainda que eu tenha uma filha que poderia ser uma delas.
Se eu não vejo gente passando fome, nem a fome nem essa gente existem. Afinal de contas meu armário está cheio.
Se eu não vejo animais sendo cruelmente abusados em experimentos desnecessários, eles não existem.
Se eu não vejo gente doente, nem doenças nem gente que precisa de tratamento existem.
Se eu não vejo idosos sendo maltratados, eles não existem.
Se eu não pensar em crise e trabalhar, a crise não existe, mas o trabalho sim, existe e deveria ser de 80 horas semanais.
Se eu não me queixar de dor, ela não existe.
Se eu não falar, a palavra não existe.
Se eu não vejo
Se eu não
Se eu
Se
$
Isso é o que chamamos de desmentido, mecanismo típico do perverso. Eu vejo e em seguida nego, assim, isso passa a não existir.
O discurso “tolo” de um “cientista” chamado Ivan Izquierdo afeta não só psicanalistas como todos os que brigam todos os dias pelos direitos daqueles que nossa sociedade prefere não enxergar.
Lembremo-nos: tudo o que preferimos fingir que não existe, insiste, persiste.




Isloany Machado, 17/07/2016
   

  

7 comentários: