Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Você é um milagre em meio ao caos

No caminho que faço de ida e volta do trabalho tem um ponto que sempre atrai meus olhos. É a casinha de um casal de araras, que fica no alto de um coqueiro. O dono da casa em que fica esse coqueiro até construiu uma bela moradia para os dois. Pois bem, sempre que passo por lá fico olhando pra ver se os dois estão do lado de fora. Nem sempre estão. Mas esses dias eu vinha dirigindo e pensando em você, no dia dos namorados, e em tudo que conquistamos juntos. Quando passei pela casinha das araras tive um estalo e não consegui conter essas palavras. Pensei: Por que elas vivem juntas? Por que, mesmo tendo asas para ir a qualquer lugar, preferem estar ali? Voltei a pensar em nós. Há quantos anos? Estou perdendo as contas. Doze?
E como você conseguiu tecer esse ninho com tanta liberdade? Digo você porque sua essência não mudou um centímetro e acho que só pessoas assim são capazes de construir ninhos com tanta beleza. Esse lugar que você me deu permitiu que minhas penugens ralas, que eu escondia por falta de amor próprio ou autoconfiança (sei lá o nome disso), brotassem fortes, cada vez mais fortes, até o ponto de aguentarem o peso do meu corpo e me levarem para onde eu quisesse ir. Voei abraçada com as palavras. Eu poderia ir a qualquer lugar no mundo, mas só você faz com que eu me sinta em casa. Me sinto assim quando estou debaixo das suas asas, como a arara, aposto. Somos dois estranhos nos ninhos originais, tivemos que construir o nosso. Dele já nasceu uma ararinha, que um dia voará para construir outro ninho e seremos nós dois de novo e sempre. Quero que o tempo demore pra passar.
Pra mim você é grande pela forma como pensa, por saber que a vida só é boa nas coisas pequenas. Que só vale à pena se, antes de trocar a coisa quebrada pela nova, tentarmos consertar. Assim, a coisa velha, quebrada e depois consertada tem muito mais graça, porque está remontada de nossas histórias e lembranças. Você nem se dá conta do quanto isso é subversivo, do quanto você é subversivo e de como suas asas são grandes.
Te amo porque você gosta de plantas. Te amo porque você gosta de filmes. Te amo porque você gosta de pipoca. Te amo porque você gosta de chá. Te amo porque você quer mudar o mundo. Te amo porque sabe que pra mudar o mundo é preciso começar pelo nosso quintal. Te amo por termos um filho. Te amo porque, pra ter um filho, é preciso querer tê-lo. Te amo porque você esperou que eu o quisesse. Te amo porque você é uma pessoa que brilha. Te amo porque seu brilho é de luz própria. Te amo porque você está descobrindo, cada dia mais, o quanto os estereótipos do que é “ser homem” são frágeis, ridículos e, por isso mesmo, desnecessários. Te amo porque você faz café.
Dizem que no amor não existem porquês. Eu discordo. Sei exatamente por que te amo, e sei exatamente, porque te amo. É exatamente você quem eu sempre quis. De vez em quando a gente encontra uma flor no meio do asfalto quente e infértil. Simplesmente não dá pra seguir jornada ignorando a beleza da flor. Também não é possível arrancá-la e levar com a gente, porque aí é morte certa. O que se faz é acampar e passar a vida a contemplar o milagre de algo tão extraordinário que faz algum sentido no meio do caos.       
   


Isloany Machado, 08/06/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário