Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Por que as grávidas têm tanta paciência?

Esta semana li o texto de uma colunista do Estadão, em que ela pedia que deixassem as grávidas em paz. O grito tinha a ver com a gravidez da irmã da autora do texto, “gravidíssima”, que ouve coisas absurdas todos os dias de pessoas sem noção. Os comentários variam desde a comida/bebida ingerida pela grávida, passando pelo momento em que se decidiu engravidar, chegando até as maiores desgraças ocorridas na história da humanidade no que diz respeito à hora do parto.
O texto é ótimo e eu ri do início ao fim, obviamente porque estou passando por isso também. Não ri somente porque o texto é engraçado, mas porque exatamente naquele dia, poucas horas antes, eu tinha ouvido uma pessoa falar horrores assim que cometi o grave erro de abrir minha boca pra comentar que quero tentar parto natural. Os detalhes chegaram a descrever o número de pontos que se leva “lá embaixo”. O nível da rasgadura. Enfim. Dei um risinho educado e fui me despedindo.
Uma das coisas que a autora da crônica do Estadão pergunta é como as grávidas podem ter tanta paciência, de onde a tiram? Fiquei pensando nisso e comecei a lembrar de todas as coisas que já ouvi, inclusive da minha mãe (desculpa mãe!), sobre os horrores do parto natural. Minha mãe chegou a inventar um primo dela (que eu nunca ouvi falar) que teria ligado preocupado e dizendo a ela que não me deixasse parir assim. O primo preocupado comigo e com a minha suposta incontinência urinária futura? (Desculpa de novo mãe!).
Além das questões do parto, já passei por várias outras situações, que até já contei em outros textos. Coisas do tipo: “aproveita bem a vida antes, porque depois que o filho nasce, a vida acaba” (Então por que raios as pessoas nunca param de ter filhos?); “Sua barriga está muito pequena, seu bebê deve estar passando fome” (hã?). Já falei da barriga que se torna coisa pública, em que todos passam a mão (sinceramente não ligo pra isso). Não sei bem se é paciência porque um dia a sogra (desculpa sogra!) me chamou de gorda e eu respondi (coisa que nunca fiz antes) dizendo que gorda era o nariz dela. Mas respondi rindo e não fiquei abalada.
Depois de lembrar (rindo) de todas estas situações, pensei, “realmente, de onde nós grávidas tiramos tanta paciência?”. E agora eu já não sei se é paciência mesmo ou uma espécie de ouvido mais seletivo. Como assim? É que agora carregamos um filho na barriga e nada no mundo parece ser mais importante do que isso. Não é à toa que Freud dizia que as mulheres ficam bem fálicas com seus bebês. É exatamente assim que eu me sinto, como se nada mais faltasse. Quero lembrar que aqui neste texto, que é de minha autoria, não pretendo fazer generalizações. Cada mulher tem seus próprios sentires, algumas inclusive nem precisam de filhos pra sentirem-se plenas. Estou falando de mim e ninguém mais. Ainda que eu acredite que possa falar em nome de muitas.
Volto a dizer, é como se nada mais faltasse. Confesso que antes de engravidar, tinha tanto medo de não sentir isso. Tinha medo de ter medo de ter um filho e colocá-lo em segundo plano desde sempre. Tá, eu sei que em algum momento alguém terá que colocar uma estaca na minha boca e eu terei que lidar com minhas faltas, mas tinha medo de não me permitir querer devorá-lo. Agora meu blog está às moscas e tudo bem. Agora assisti todas as comédias românticas disponíveis na Netflix e não preciso mentir falando que só gosto de filme cult.
Essa semana olhei pro marido e disse: “tem algo estranho comigo, eu voltei a gostar de assistir novela, coisa que não gostava mais desde a adolescência”. Ao que ele respondeu: “Vai ver que você voltou a acreditar em histórias bonitas. Quem é que não gosta de uma história?”. Pensei, pensei, e achei que é verdade. Para apostar em um filho que vai chegar e fazer parte de um mundo tão podre, é preciso semicerrar os olhos e voltar pra um estado letárgico, um certo desinteresse pelo mundo externo. Um certo não dar ouvidos pras coisas absurdas que as pessoas falam.
E por que cargas d´água as pessoas falam tanta baboseira? Ora, nós humanos vivemos às voltas com a falta – ainda bem, pois é algo que nos constitui –; ora, quem as grávidas pensam que são para se acharem tão plenas? A falta da falta é insuportável, é angustiante, já dizia Lacan. Tudo aquilo que é pleno precisa ser furado. A gravidez é uma espécie de telhado de vidro em que se atiram pedras na tentativa de quebrar. E as grávidas, psicanalistas ou não, lacanianas ou não, de algum jeito sabem disso. Se sabem fálicas, tanto que não veem a hora que a barriga seja enfim notada! Tiramos fotos e esfregamos na cara das pessoas! Dobramos a coluna na fila do supermercado para que notem nosso estado de graça. É claro que tanta potência incomoda. Mas não adianta jogar pedra em nosso telhado de vidro, porque o vidro é temperado, anti-balas, anti-pedras, anti praticamente tudo.   

  

Isloany Machado, 17/07/2015 

Nenhum comentário:

Postar um comentário