Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Um pedaço de mim já não é mais o mesmo

Tudo caminhava bem até o último sábado. Havíamos assistido uma apresentação de dança e, no caminho de volta, enquanto meu marido dirigia, eu passeava em uma rede social pela tela do meu telefone. Em um instante, me deparei com uma notícia que dizia: “Adolescentes torturam, arrancam couro a faca e quebram patas de cadelinha”. Não entrei imediatamente porque sabia que ficaria muito impressionada. Mas meu marido fez perguntas, queria saber se ela estava viva, e eu acabei entrando para ler.
Além do que o título da matéria já dizia, que já era muito, ficamos sabendo que ela, um filhote de menos de um ano, fora resgatada por duas mulheres que fazem esse trabalho de resgate a animais abandonados, e que estava viva, mas em estado grave, internada numa clínica aqui da cidade. Um nó subiu à minha garganta ao imaginar a dor que ela teria passado e ainda estava passando. O nome dado a ela foi Vitória. Vitória foi encontrada em estado de choque. A matéria dizia que, se sobrevivesse, poderia ter uma das patas amputadas.
 Tudo dentro de mim revirava agora. E eu já não era mais a mesma. Algo do Real invadiu meu corpo e fez com que tudo ficasse diferente. Não. Não é exagero. Isso aconteceu apenas porque eu não conseguia encontrar palavras que me dissessem o que era aquilo. Eu consigo explicar teoricamente uma mãe que abandona um filho recém-nascido, sei dizer o porquê de bandos homofóbicos matarem homossexuais, mas não consigo conceber nenhuma teoria que explique tamanha crueldade com um ser indefeso, um filhote de cachorro.
Eu poderia dar palestras explicando filhos que matam os pais, saberia até mesmo escrever um artigo sobre o massacre nazista, que eliminou nada menos que seis milhões de judeus, ou ainda explicar o genocídio que os indígenas sofrem em nosso país desde antes de 1500, mas nada me dizia sobre massacrar, arrancar o couro com faca, quebrar as patas a ponto de estraçalhar, uma cadelinha de menos de um ano de idade. Adolescentes. Seres humanos, pressupõe-se, tendo sangue frio suficiente para fazer isso com um ser que não podia se defender. Um ser que, pela minha experiência com cachorros – já que tenho uma surda dentro de casa – só quer comer, dormir, lamber e pedir colo.
Saber disso me fez regredir ao imaginário, e desejei, com todas as minhas forças, massacrar da mesma forma àqueles que massacraram Vitória. Mesmo depois de todos os estudos e debates e anos e anos de análise para que o simbólico prevaleça, era o ódio que me consumia. Peço perdão aos meus professores de Direitos Humanos, mas tive a certeza de que o caos da humanidade é responsabilidade de cada um. Mas e quanto a ela? O que Vitória tinha a ver com as nossas mazelas? Não consigo conceber. Não tentem me explicar.
As moças que fizeram o resgate pedem ajuda para pagar a conta na clínica e dizem que ela está sobrevivendo. Eu fui ajudar, mas algum pedaço de mim já não é mais o mesmo. É como se alguma máquina tivesse engolido uma parte qualquer do meu corpo. Ainda estou chorando por Vitória e só me conformarei quando souber que ela está bem, na medida do que poderá restar dela, balançando o rabo e sendo cuidada por algum ser humano que possa respeitar sua dor, que não se apagará nem para ela e nem para quem olhar para a cicatriz enorme que ficará, pela falta do pedaço de pele que foi arrancada do seu corpo, e para a pata que existirá só na memória.
Para mim, jamais existirá teoria que explique isso.    
       
   Esta é Vitória:




Isloany Machado, 01/06/2015 

Um comentário:

  1. Islo, parabéns pelas palavras!!!
    Todos estamos indignados com isso! É uma covardia!!!
    Bjs

    Zezão Vet

    ResponderExcluir