Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Ah, como eu amo os angustiados...

Um dia ouvi falar que nós não escolhemos nossas profissões, mas somos escolhidos por elas. Fiquei pensando no por que da Psicologia e da Psicanálise em minha vida. Tá certo que sempre fui uma pessoa “perguntadeira”, lembro que na infância, meu livro favorito contava a história de Glorinha, uma menina que queria saber o porquê de tudo. O livro se chamava “A curiosidade premiada”. Não o tenho mais, ele se foi junto com muitas de minhas memórias de menina. Mas se foi fisicamente, porque eu ainda lembro da expressão facial de Glorinha e de sua expressão favorita: “Por quê?”
Também devo admitir que sempre fui uma criança angustiada, e também ansiosa. Roía as unhas até o sabugo, sob protestos de minha mãe e de todos os que ficavam mais do que cinco minutos perto de mim. É difícil confessar, mas enquanto eu tinha flexibilidade, atacava inclusive as unhas dos pés. Não tinha nojo, o pé era meu. Ainda é. Sempre achei que faltava alguma coisa, uma peça do quebra-cabeça da vida. Quando alguém tentava me convencer de alguma verdade que me parecia absurda, eu perguntava sempre o porquê e, diante de sentenças que não permitiam argumentação, eu tinha siricoticos. Quase desmaiava. Foi assim por um bom tempo.
Carreguei para a adolescência a ansiedade – qualquer um pode ver nas fotografias mais antigas que mostram meus dedos cabeçudos de tanto serem roídos. Carreguei também a angústia de viver. Só depois de muito tempo aprendi que essas coisas tinham nome, fato que não aliviou em nada o sentimento. E eu agradeço infinitamente por ser angustiada, por querer sempre perguntar. Acho que essa angústia move a mim, e a quem quer que seja, para que acorde todos os dias, saia da cama, tome banho e saia por aí, perguntando. Se não fosse isso, essa fonte de “energia”, talvez não conseguíssemos sair da cama.
Por outro lado, há alguns que tristemente são engolidos por uma angústia tão avassaladora que desistem das perguntas e passam a engrossar a fila dos depressivos. Aqueles que têm experiência clínica sabem o quanto é difícil a permanência em análise daqueles que desistiram da angústia questionadora. A expressão facial é diferente, é abatida e, muitas vezes, entregue. Depois do “acidente” de avião em que o co-piloto teria propositalmente lançado mais de cem pessoas para a morte, acho que nunca ouvi tanto a Psicologia sendo aclamada. Será que está chegando a hora de levarem nossa profissão a sério? Será que assim a depressão parará de ser considerada “frescura”, muitas vezes até pelo próprio sujeito, que reluta tanto em falar de seu desejo diante de um analista?
Parece que fui escolhida primeiro pela angústia perguntadora, depois achei que a Psicologia me daria uma boa maneira de trabalhar com isso. Quando encontrei a Psicanálise, soube ali mesmo que havia a falta e que é por isso que as perguntas não podem parar. Quando paramos, morremos. Ainda que não fisicamente, morremos diante de nosso desejo. Mas já ouvi casos de pessoas que morreram de depressão. Parece que isso mata. Assim, a Psicanálise escolheu a mim para que eu me mova sempre por minhas perguntas. E confesso que uma das coisas que mais me deixa feliz em meu trabalho é quando entra pela porta um angustiado. Não que eu seja uma sádica que goste de ver os outros sofrendo, mas sei que ali está o primeiro passo para se descobrir que essa falta pode ser suportável. Eu diria mais. Eu diria que dá pra se fazer algo com ela. Escrever, por exemplo.
Há anos parei de roer as unhas dos pés e das mãos, mas fica sempre uma cosquinha dentro de mim, denunciando que algo está fora de ordem. Ainda bem, pois se tudo estivesse em ordem, eu morreria para talvez renascer no caos. São os angustiados que não desistem de mudar o mundo, ainda que ele se resuma à famosa casca de noz.  



  


Isloany Machado, 08/04/2015 

Um comentário:

  1. A angústia é um tema que me tem feito questão nos últimos meses. Bom ter encontrado esse texto, que fala, dentre outras coisas importantes, da sua experiência com ela. Obrigado.

    ResponderExcluir