Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Manifesto do Partido Consumista

Outro dia estava andando sem compromisso entre as prateleiras de uma livraria e corria os olhos aleatoriamente, parando em algum título que me chamasse atenção. Às vezes gosto de ver palavras, sem necessariamente lê-las. Faço ponte direta pro inconsciente, mas elas sempre voltam em sonhos e lapsos, me fazem felizes. Quando uma palavra entra, sinto cócegas nos olhos. E nesse correr de vistas, meus olhos pararam na capa de um porque li e, numa fração de segundos, pensei: não pode ser esse nome, que nome curioso! O livro se chamava “Manifesto do Partido Consumista”. Parei imediatamente. Li de novo. Vi que tinha cometido um equívoco. Lá estava o velho e bom “Manifesto do Partido Comunista”. Depois de comer tantas palavras com os olhos, estes bandidinhos me enganaram.
           
Como gosto de pensar bobagem, logo imaginei como seria um Manifesto do Partido Consumista. E fiquei tentando entender por que o consumo pulara na minha frente. Havia tantos livros de auto-ajuda, de segredos e de segredos dos segredos, de queijos, de estrelas, de muitos tons de cinza, de milionários ensinando como se tornar milionário, de como ser de marte enquanto os homens são de vênus, de...ai, cansei. E de repente, no meio daquela montanha de livros, lá estaria ele: meu suposto Manifesto do Partido Consumista!
            Fiquei pensando em todas as coisas que as pessoas compram sem que necessariamente precisem. Na verdade, no manifesto consumista não se trata de necessidade, isto é, eu não compro um objeto porque preciso dele, não é algo que me falta, ao contrário, os objetos são promessas. “Faça suas batatas fritas sem óleo e tenha uma vida mais saudável!”; “Compre uma escova de cabelo que nem precisa do esforço do seu braço! Ela seca e escova ao mesmo tempo, não é o máximo?”; “Compre essa máquina de fazer suco, onde você enfia o alimento com casca e tudo, mas só usará uma vez, porque, apesar de não ter o trabalho de descascar antes, você nunca mais conseguirá lavá-la! É ou não é totalmente excelente?!”. Os objetos são promessas de uma vida feliz, por isso compramos. “Use roupa tal e tenha todos os homens a seus pés!”; “Tenham carro tal e tenham todas as mulheres de quatro (literalmente) por você!”. E temos mais um manifesto utópico, de um mundo que nunca existirá.
            Dias atrás, meu marido me contava que usou uma pasta de dente emprestada do colega e a pasta “era muito louca, azul fosforescente e a espuma, ao contrário de todas as outras, não era branca, mas azul. Era uma pasta para branquear os dentes”, me disse ele em conclusão. Eu, com meu espírito de porco, perguntei:
- E branqueou?”
- Não.
Rimos durante alguns minutos da pasta branqueadora azul que não branqueia, mas a espuma é azul. Eu não ligo pra sapatos, bolsas, brincos, etc, mas confesso que tenho dois objetos que não compro por necessidade, mas por promessa, como uma boa seguidora do Manifesto Consumista: Livros e batons. Livros porque meu pai dizia que tinha que ler, tinha que estudar, tinha que saber, fazer mestrado, doutorado...ai, cansei. Mas acabei pegando gosto. Batons porque pra mim significam o que é ser mulher, de certa forma. Minha mãe sempre usava o mesmo batom, obviamente proibido pra mim por ser criança, menina. Eu achava lindo o batom. Agora compro não pela necessidade, mas pela promessa de encontrar aquele batom perdido da infância, da promessa da feminilidade, da sedução.
O consumismo casa bem com a eterna promessa de reencontrar aquele objeto perdido da infância. Às voltas com isso, tornei a pensar em como seria o Manifesto do Partido Consumista, e só consegui pensar naquele finalzinho que apela, faz um chamado no Manifesto Comunista. O Manifesto Consumista teria que terminar assim:
Os consumistas proclamam abertamente que seus objetivos só podem ser alcançados pela derrubada violenta de toda a inflação e todo IPI existente. Que todos os comerciantes tremam à ideia de uma revolução consumista. Temos um mundo a comprar.

Consumistas de todos os países, uní-vos!



Isloany Machado, 15 de agosto de 2014.

Um comentário: