Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

domingo, 29 de junho de 2014

Quem inventou o sintoma?

Toda família é meio louca. Ponto pacífico. Não há porque discutir. A minha família é meio louca e eu já falei dela algumas vezes, por escrito. Quando nós falamos de nossa própria família, é engraçado. Quando os outros falam, é ofensivo. Eu poderia odiar algumas coisas em meus pais, por exemplo, mas odiaria mais ainda aquele que se metesse a falar mal deles. Outro ponto pacífico.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Menina Toc Ploc

Outro dia, passeando com meu marido, de repente senti que tinha uma perna mais curta que a outra. Coisa pouca, de uns dois centímetros. Não me desesperei. Simplesmente senti um caminhar torto, manco. Quando criança, havia um amigo do meu pai que se chamava “Zé Manquinho”. Eu nunca tinha visto um sobrenome daqueles: “Manquinho”. Precisei de um tempo pra entender que era chamado assim porque mancava. Então, ao sentir que era torta, fui invadida por uma poesia doce, e me lembrei de Manoel de Barros:

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Os homens e o dia dos namorados

Ontem fui ao shopping e, enquanto andava sozinha e distraída, comecei a notar vários grupos de rapazes andando juntos. Era véspera do dia dos namorados e pelas conversas que tinham entre si, pude notar que estavam procurando os presentes para as namoradas. Comecei a rir, ainda que tenha me compadecido deles. Nos olhares havia um certo desespero, o que os levava a falarem sem parar (coisa de mulher quando sai com as amigas).

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Amor trago já

*Este texto é o terceiro prelúdio do XV Encontro nacional da EPFCL- Brasil, a acontecer em Campo Grande nos dias 13, 14, 15 e 16 de novembro. Mais informações

Convocada a dizer sobre o amor, travei. Sim, escrevo. Mas sobre o amor? Não! Entretanto, não havia escapatória. Tinha que dizer, como psicanalista, do amor. Os dias foram se arrastando e as palavras fugiam. E de lá do fundo do meu falasser brotavam chavões: “O amor é fogo que arde sem se ver”. O que é o amor, o que é o amor? “É só o amor, é só o amor”. Às voltas com a convocação, espremia, espremia, e nada.