Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

O céu dos cachorros




Juli Preta, desculpe a demora em falar com você. Antes não era possível porque as palavras fugiam e, além disso, eu achava que quando um cachorro morre, ele acaba. Mas a sua médica, quando nos deu a notícia de sua partida, disse: “De onde ela está, sabe que vocês fizeram tudo o que podiam por ela”. Desde esse dia estou às voltas com a ideia de que há um céu dos cachorros. E pode ser que aqueles que são bonzinhos como você vão para o céu dos cachorros. Quando pensei em te escrever, fiquei com medo de despejar algo muito muito triste, porque você não era triste, pelo contrário, eu nunca vi uma cachorra tão feliz como você. Mas é claro que eu preciso dizer que não foi fácil nem pra mim nem pro seu pai lidar com a sua partida. Arre. Dizer que estamos com saudade seria falar mais do mesmo. Agora essa ideia do céu dos cachorros não sai da minha cabeça. De todas as vezes que ouvi falar do céu, ninguém nunca disse que havia cachorro lá, e eu sempre perguntava “por que não?”.

Juli, você está vendo deus? Onde ele está? Como ele é? Ele tem mesmo os olhos azuis? Ele é velho? Tem um cajado na mão? Juli, o que tem aí no céu? Onde está deus?

Fico pensando o que você fica fazendo aí o dia todo. No céu dos cachorros deve haver muitas bolinhas e ossos e biscrocs e petiscos e bifinhos e...o que você faz para passar o tempo? Pra quem você late se no céu todos são bons? Ah, preciso te contar uma coisa. Acredita que esses dias entrou um ladrão aqui? Eu tremi tanto quanto no dia em que fiz minha prova prática de motorista. Se você estivesse aqui ele não teria entrado. Mesmo que você fosse incapaz de morder uma pulga, ele não teria entrado com medo dos seus latidos. Você nunca mordeu ninguém, por isso foi pro céu. Por causa do ladrão, e pelo fato de que ele nunca entrou aqui quando você era viva, adotamos agora outra cachorra. O nome dela é Puca. Não fique com ciúmes da sua bolinha, ela está bem guardada. Arrumamos outra pra ela. Neste segundo Puca está dormindo. É o que ela faz de melhor. Além disso, faz muito xixi e cocô, morde meus calcanhares e, de vez em quando, dá um bote e morde meu nariz. Às vezes o mundo pode estar caindo que Puca está dormindo. Mas não a julgue antes do tempo, ela dorme assim tão profundamente porque, acredite, ela é surda. Sim, tenho certeza. Já fizemos vários testes, ela não ouve nadica de nada. Não ria disso Juli, mas também não chore, não é pra tanto. Juli, onde está deus? Se você o estiver vendo, peça pra ele devolver a audição dela? Mas se ele não te der ouvidos, deixe pra lá. Já que você não está mais aqui, pode emprestar seus ouvidos pra ela? Se não puder tudo bem. Na verdade eu me senti um pouco privilegiada por ter uma cachorra surda. Sei lá por quê. Deve ser coisa de gente torta que nem eu. Sei que ela vai me ensinar muita coisa. Às vezes nos confundimos e a chamamos de Juli, ainda bem que ela não escuta, poderia ficar chateada.

Juli, onde está deus? Você pode vê-lo? Se puder, diga a ele que tenho algumas reinvindicações a fazer. Talvez ele esteja muito ocupado e precise que digamos por escrito nossas reinvindicações. Aí está a lista:

  1. Eu quero que os cachorros vivam tanto quanto as tartarugas;
  2. Eu quero que nenhum humano seja capaz de abandonar um cachorro e, se isso não for possível, quero que a punição seja uma sarna das brabas para o humano;
  3. Eu quero que os humanos parem de se corromper por dinheiro, parem de negligencias no tratamento de cachorros doentes, por dinheiro.
  4. Quero que, se um humano matar um cachorro, por crueldade, que esse deus aí do céu dos cachorros não tenha piedade no seu julgamento;
  5. Ah, eu quero saúde pública de qualidade para os cachorros.

Juli, sabe o que acaba de me ocorrer? Pode ser que o deus do céu dos cachorros seja também um cachorro. Bem, você sabe que o deus dos humanos é igual aos humanos não é? Então pensei que talvez você não esteja encontrando deus aí porque não está procurando direito. Tem humanos aí? Cuidado com eles! Espero que você tenha perdido aquela sua mania besta de abanar o rabo para todos. Mas se não há humanos é um forte indício de que o deus do céu dos cachorros é também à imagem e semelhança dos canídeos. Sugiro que você procure uma cachorra que deve estar aí também, ela se chama Safira e tem o rabo cortado, cor castanha, e gosta de laços azuis nas orelhas. Ela morou com a gente antes de você chegar. Diga que eu nunca tentei falar com ela antes porque não sabia sobre o céu dos cachorros. Há outra cachorra que você pode procurar também, chama-se Baleia. Diga que ficou famosa na literatura brasileira. Até onde eu sei, ela tem um olho furado, mas não sei se a condição permanece a mesma quando se vai pro céu. Dizem que todos os males se vão.

Juli, você já conseguiu localizar deus? Saiba que todas as noites eu peço a ele que nunca deixe faltar muitos ossinhos pra você, e que sua bolinha nunca caia em cima do seu cocô, pra que você não tenha nojo de pegá-la. E peço que você nunca tenha carrapatos, porque é alérgica. Querida, me desculpe por todas as vezes que eu deixei de jogar a bolinha pra você. Sinto falta das suas lambidas compridas de língua roxa, acho que a cor tinha um certo efeito terapêutico. Eu me sentia em paz quando você me lambia.

     

Isloany Machado, 16 de agosto de 2013.

P.S.: A Puca ainda está dormindo!     

6 comentários:

  1. Muito interessante! Gostei

    http://livrosgratisemcasa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Me fez chorar! Lembrei do Tobias. Existe sim o céu dos cachorros e minha filha disse que quando for para lá vai brincar com todos eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Céu tem que ter cachorros, senão não é Céu.

      Excluir
  3. Minha amiga que coisa mais linda.
    Perdi uma flor também que com toda certeza vou pro céu, e está provavelmente brincando com sua Julli, o nome dela é Petúnia, uma flor branca linda que encheu minha vida de alegrias e esperanças.Ela me deixou 8 filhotes que não tive coragem de doar, e reencontro minha Pe, em cada lambida que me dão, e casa olhar que que encontro, dias desses eu estava limpando o quarto deles e olhei pra trás e vi 18 olhinhos me observando e me amando, 8 filhos da minha Pe, e o viúvo Valente, veio pra casa porque foi envenenado e acabou se casando com minha flor.
    Olha pode acreditar existe um céu pra cachorros, afinal diz a literatura a casa de meu pai, tem muitas moradas e Deus não ia deixar esse anjos sem um lugar quente e bonito pra viver.

    ResponderExcluir
  4. Lindo!!! Me emocionei bastante. Tenho uma carinhosa senhora idosa (agora cheia de direitos) de 16 anos ... há 3 anos ficou surda e agora está com pouquíssima visão ... continua linda, amada e feliz, embora dorminhoca e ranzinza rsrsrs ... amo tanto!!!

    ResponderExcluir