Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Caso de amor entre a ponto de interrogação e o reticências


           Ela era um ponto de interrogação, bela, questionadora dada a natureza de sua pontuação. Ele era reticente. Incapaz de terminar sequer uma frase. Ela, de tão interrogativa que era, e ele, reticente, a partir daqui chamá-los-ei de: a ponto de interrogação e o reticências.
Quando ele a viu, seus olhos se encompridaram para ela que, sempre sedenta, bebia água naquele instante. Foram longos dias de olhares do reticências para a ponto de interrogação. Aposto que aquele ar de dúvida era o que mais lhe atraía, pois ele, apesar de reticente, queria dar a ela respostas.


A ponto de interrogação inquietou-se diante daqueles olhares que nada diziam de resolutivo. Telefonou.

- Alô?

- Alô...

- Preciso falar com você, pode ser?

- Ah sim, podemos...

- Ok, te espero às 11h no Café do Ponto. Tudo bem?

- Sim...

            Assim começou uma breve história de amor entre eles. A ponto de interrogação não queria dar na pinta de que tinha curiosidade, então ficava calada. Esperava ouvir o que ele queria. O reticências dizia: “Você é linda...”. Ele também não sabia muito o que dizer a ela, queria dizer que a amava, mas não conseguia, pois terminar uma frase era difícil. Então, de súbito, ele disse: “Não sei o que você espera desta história. Acho melhor irmos com calma...”. Ao que ela, admirada, respondeu: “Me diga o que você espera dessa história?”. Obteve como resposta o seguinte: “...”.

Um dia, entre beijos, o reticências pegou uma batata na geladeira e mostrou a ela, queria lhe dizer tantas coisas, mas não podia. Era um sofrimento pensar em usar um ponto mais incisivo. Disse: “Está vendo esta batata? Imagine que isto seja meu coração...Eu queria dar isso a você......mas você não quer...”. Ele era incapaz de perguntar a ela se queria a batata. Na verdade não queria saber, pois se ela quisesse, ele não poderia mais ser reticente, teria que fazer afirmações mais contundentes.

 Às voltas com suas perguntas e ciente de que o reticências não lhe daria respostas, a ponto de interrogação decidiu colocar um ponto final na história. Quanto ao reticências, vive de olhos compridos para muitas outras pontuações. Dizem que anda a se esconder de uma ponto de exclamação que vive tentando dar mais ênfase aos ditos dele.
 Isloany Machado, 03 de agosto de 2012.

 

7 comentários: