Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Caso de amor entre a ponto de interrogação e o reticências


           Ela era um ponto de interrogação, bela, questionadora dada a natureza de sua pontuação. Ele era reticente. Incapaz de terminar sequer uma frase. Ela, de tão interrogativa que era, e ele, reticente, a partir daqui chamá-los-ei de: a ponto de interrogação e o reticências.
Quando ele a viu, seus olhos se encompridaram para ela que, sempre sedenta, bebia água naquele instante. Foram longos dias de olhares do reticências para a ponto de interrogação. Aposto que aquele ar de dúvida era o que mais lhe atraía, pois ele, apesar de reticente, queria dar a ela respostas.

sábado, 25 de maio de 2013

Comemorando os 20 mil acessos!!

Meus queridos amigos e seguidores do blog, agradeço imensamente pelo incentivo semanal que recebo de cada um que acessa, curte, comenta ou compartilha algum de meus textos. Tim-tim!!!

terça-feira, 21 de maio de 2013

Oração do obsessivo e Prece a Santa Histeria




ORAÇÃO DO OBSESSIVO

Ó senhor das causas impossíveis,

Bendita seja nossa neurose.

Não nos deixe realizar nosso desejo,

Nem agora e nem nunca na vida.

Não nos deixe contrair dívidas,

E faz com que nunca perdoemos àqueles que nos devem.

Olhai por nós, procrastinadores,

“Portadores” do falo,

E livrai-nos dos ratos,

Amém.
PRECE A SANTA HISTERIA
Santa Histeria, que nos estrutura,
Bendito seja o nosso sintoma
Deixe advir o nosso desejo.
Seja feita a nossa vontade, mesmo que não seja bem aquilo que queremos.
Não nos deixe cair na fogueira, no manicômio e no lítio.
Santa Histeria, mãe do feminino,
Olhai por nós, conversoras,
Que encarnamos a falta,
E livrai-nos da Outra,
Amém.
Isloany Machado, 05 de fevereiro de 2013.


segunda-feira, 13 de maio de 2013

Carta 6 – Sobre certezas, intolerâncias, deuses e guerras




Meu querido,

Estava com muita vontade de te escrever para saber como está. Aqui, de minha parte, estou com imensas saudades. Mas disso você já sabe, não é? Foi do que falamos na última carta. Saudades, amores, amizades, sentimentos humanos inventados para sublimar dores, ódios, perdas, solidões...Há mais sentimentos humanos, muitos mais, por ora são estes os que já conseguimos falar um pouco. Mas sabe Henrique, há uma coisa que foi inventada também, que eu nem sei se posso chamar de sentimento, mas essa coisa se chama intolerância. Vou tentar te explicar isso usando um exemplo.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Mães e filhas


Este ano resolvi me meter com a escrita. Então, no aniversário de cada uma das pessoas que eu mais amo, o presente foi um texto escrito por mim contando um pouco de nossa história. O aniversário da minha mãe está chegando e estou às voltas sem saber o que escrever. Espremi, espremi e nada. Daí pensei que poderia me inspirar olhando pra fora e não pra dentro. Comecei a observar mães e filhos em algumas cenas do meu cotidiano. Um dia vi uma menina de uns oito anos que estava perto de sua mãe no ônibus, a mulher sentada e a filha em pé. A mulher dizia para a menina que desgrudasse dela.