Aqui você encontrará textos sobre psicanálise, literatura e meus escritos literários.

Precisa de revisão ortográfica? Venha para a Oficina do Texto: Clique aqui!

Leia aqui o texto que inspirou o nome do Blog!

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Corrida com o tempo


 

Para Leandro Laureti

Estive pensando sobre o tempo.

Pedi a ele que quando passasse, que viesse enfeitado, cheio de luzes, para que eu pudesse olhar minuciosamente, segundo a segundo.

Olhei para a cadeira ao lado e vi uma moça com os olhos distraídos, querendo que o tempo passasse logo. Estava apressada.

Um dia desejei que passasse rápido, num tempo longínquo em que passava o tempo brincando de verbo de ligação. Mas meu desejo foi curto. Em pouco tempo voltei a querer vê-lo de perto.

O peito estava agora atravessado com grande expectativa. Com medo que ele passasse rápido e eu sequer tivesse tempo de vê-lo passar.

Lá vinha o tempo a galope.  Sim, ele passaria rápido! Tentei manter os olhos muito abertos, não piscava, pois sabia que se trataria de um flash.  No minuto mesmo em que ele passou por mim, agarrei-o pelas orelhas e subi em seu lombo. O coração parecia ter se dividido em pequenos fragmentos e pulsava nas extremidades do corpo. 


Cabelos deitados, boca semi-aberta, eu bebia o vento sem saber pra onde o tempo me levaria. Olhos arregalados para não perder nada, lacrimosos.

De repente, o tempo parou.  Bruscamente fui lançada sobre uma manta seca de folhas e terra.  Enquanto tentava entender o que acontecia, apalpando as feridas da queda e batendo a poeira, me deparei com dois olhos docemente tristímidos. Lá estava você.

Durante a queda, meu coração, que parecia estar fragmentado, espalhou-se pelo chão.  Não havia mais conserto, foi o que pensei. Você gentilmente estendeu-me a mão e, enquanto eu catava os cacos do coração, feito de uma massa palavrosa, você me ajudou a refazê-lo.

Rolamos no chão, subimos as árvores, apreciamos as luzes, fotografamos com nossas lentes da memória cada imagem do dia em que o tempo parou.

Olhamos o tempo e ele continuava ali parado, lambendo as patas fatigadas pela corrida. Eu tinha que ir, e ele já dava sinais de querer escurecer. Montada no lombo do tempo, chamei você. Venha passear no tempo comigo. O tempo acha que é Rei, mas não sabe que o guiamos pelas orelhas. Venha! Você hesitou, acho que sempre teve um pouco de medo do tempo. Talvez tenha pensado que ficando de longe, não o veria passar com pressa.

Mas, meu bem, o tempo não espera! Não se esquive dele, venha comigo, você pode me abraçar na cintura que eu estou bem presa às orelhas do tempo. Não tenha medo! Se você cair, caímos juntos e assim levantamos um ao outro. Mantenha os olhos bem abertos e a boca semi-cerrada, lembre-se que o vento tem um sabor inigualável, sabor de tempo quando foge.

Vamos fugir com o tempo, não o deixaremos passar tão depressa, agarraremos fortemente suas orelhas até que ele freie um pouco, talvez pare quando quisermos mesclar nossos corações fragmentados. Se sentires medo durante a corrida, pouse a cabeça nas minhas costas e segure firme na cintura, feche os olhos, mas não por muito tempo para não perder a vista da paisagem.

Se eu sentir medo? Coloque suas mãos nas orelhas do tempo enquanto eu ergo as minhas no alto e grito para aliviar o medo.

A corrida com o tempo, meu bem, é sem volta. Mas não choremos antes da hora. Não! Ao contrário, vamos apreciar a beleza da vista, o sabor do vento, o cheiro adocicado do medo. Há ainda muito para nossos olhos verem. Vem! Assim, juntos, não morreremos do tempo, morreremos de amor.

Isloany Machado, 24 de janeiro de 2013.

 

2 comentários: